50 anos do golpe militar de 1964

Metrô de Belo Horizonte recebe simulação de ataque químico para a Copa de 2014
31 de março de 2014
Macapá comemora 265 anos hoje
31 de março de 2014
2398
Compartilhe
Foto: Arquivo Alesp

Foto: Arquivo Alesp

Foto: Arquivo Alesp

Foto: Arquivo Alesp

São Paulo- SP, 1964- Apuração dos votos na eleição dos Membros da Mesa da Assembleia, em 12 de março de 1964.

Foto: Arquivo Alesp

Foto: Arquivo Alesp

São Paulo- SP, 1964- Sessão de instalação dos trabalhos de 1964. Com a presença de D. Leonor e Adhemar de Barros ao lado do Presidente Cyro Albuquerque.

Foto: Arquivo Alesp

Foto: Arquivo Alesp

São Paulo- SP, 1964- Plenário da Assembleia na Sessão de Instalação dos Trabalhos em 14 de março de 1964.

Foto: Presidência da República

Foto: Presidência da República

João Belchior Marques Goulart, conhecido popularmente como “Jango”, foi o 24° presidente do Brasil, de 1961 a 1964. participou do governo de Juscelino Kubitscheck como vice-presidente e, por meio de ação constitiucional, passou a ocupar a presidência do Senado entre 1956 e 1961. Reeleito vice-presidente com Jânio Quadros, Jango, tomou posse em 7 de setembro de 1961 após a renúncia do então presidente em agosto do mesmo ano. Sua posse aconteceu após a aprovação pelo Congresso da emenda institucional que instaurou uma república parlamentarista na qual o chefe do poder executivo é o primeiro ministro e não o presidente.Em 6 de janeiro de 1963, porém, Jango conseguiu o apoio do Congresso Nacional e da classe operária para a aprovação de um plebiscito que instituía a volta do presidencialismo. Com o fim do parlamentarismo, Goulart assumiu a chefia do Executivo.Em 31 de março de 1964, João Goulart foi deposto pelo golpe militar de 1964, e foi exilado no Uruguai. Faleceu no exílio, no município argentino de Mercedes, em 6 de dezembro de 1976.

Foto: Presidência da República

Foto: Presidência da República

Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco, primeiro presidente do período do governo militar instaurado pelo Golpe Militar de 64. Castello Branco foi um dos principais articuladores do golpe militar de 1964, que depôs o presidente João Goulart. No dia 9 de abril de 1964, o supremo Comando Militar, composto pelo Exército, Marinha e Aeronáutica decretou o AI-1 (Ato Institucional número 1). A partir daquela data todas as garantias de vitalicidade e estabilidade em cargos públicos estabelecidas pela Constituição foram suspensas; o presidente passava a ter o direito de cassar mandatos e suspender direitos políticos por 10 anos de qualquer cidadão e de propor emenda à Constituição e declarar estado de sítio. Dois dias depois da publicação do AI-1, o marechal Humberto de Alencar Castello Branco foi eleito pelo congresso Nacional como representante para assumir a presidência da república em 15 de abril de 1964. O regime militar que passou a ser vigorado a partir desta data era baseado na política de fortalecimento do poder Executivo e na idéia de “segurança nacional”. Para tanto foram criados novos órgãos governamentais, como o SNI (Serviço Nacional de Informação).O governo iniciou esta política com uma ação que foi denominada de “operação limpeza”.

Foto: Presidência da República

Foto: Presidência da República

O Marechal Artur da Costa e Silva, vigésimo sétimo Presidente brasileiro, o segundo do regime militar. Ao lado de Castello Branco, Costa e Silva foi um dos principais articuladores do golpe de 1964, que depôs o presidente João Goulart, e fez parte da junta batizada de Comando Supremo da Revolução, formada pelo brigadeiro Correia de Melo e do almirante Augusto Rademaker. Nomeado para o ministério da Guerra durante a gestão de Castello Branco (1964-1966), afastou-se do cargo para candidatar-se às eleições indiretas pelo Arena (Aliança Renovadora Nacional). Foi eleito presidente da República em 3 de outubro, mediante abstenção de toda a bancada da oposição composta por políticos do MDB (Movimento Democrático Brasileiro).
Tomou posse no dia 15 de março de 1967. O período de seu governo foi marcado por forte agitação política, com importantes movimentos populares e políticos de oposição, como a Frente Ampla. Costa e Silva instituiu o polêmico AI-5, que conferia ao presidente da República poder para fechar o Parlamento, cassar políticos e professores, indicar governadores e prefeitos. Em agosto de 1969, Costa e Silva sofreu uma trombose cerebral e foi afastado do cargo, sendo substituído por uma junta militar. Faleceu no Rio de Janeiro, em 17 de dezembro de 1969.

Foto: Arquivo/Agência Senado

Foto: Arquivo/Agência Senado

Brasília- DF, 15/03/1967- Posse do Presidente Costa e Silva (1967)

Foto: Arquivo/Agência Senado

Foto: Arquivo/Agência Senado

Brasília- DF, 15/03/1967- Posse do presidente Costa e Silva em 15/03/1967, em sessão conjunta do Congresso Nacional, presidida pelo senador Auro Soares Moura Andrade.

Foto: Presidência da República

Foto: Presidência da República

Emílio Garrastazu Médici foi um militar e político brasileiro. Foi Presidente do Brasil entre 30 de outubro de 1969 e 15 de março de 1974, durante o Regime militar. Obteve a patente de General-de-Exército. em 1969, o comando do 3º Exército, no Rio Grande do Sul. Após o afastamento de Costa e Silva, o Alto Comando do Exército indicou o nome de Médici para a presidência da República. Em 30 de outubro de 1969, passou a exercer o cargo de presidente da República. No seu governo houve o conhecido “milagre brasileiro”, que representou uma significativa melhora na economia brasileira, com aumento do PIB (Produto Interno Bruto), estabilização da inflação em índices inferiores a 20%, aumento da produção industrial, melhora dos níveis de emprego e do mercado interno. Médici faleceu no Rio de Janeiro, em 9 de outubro de 1985.

Foto: Presidência da República

Foto: Presidência da República

Ernesto Beckmann Geisel foi o 29º Presidente do Brasil de 1974 a 1979. Geisel assumiu a presidência no dia 15 de março de 1974, sucedendo Garrastazu Médici. O Brasil vinha do período mais aguda da Ditadura Militar, pois em 1968 havia sido publicado o Ato Institucional número 5  que suspendia direitos políticos, institucionalizava a censura e dava amplos poderes ao governo militar. Foi entre os anos de 1968 e 1973 também que o Brasil viveu o chamado Milagre Econômico, período no qual o país cresceu economicamente em níveis altos. O fim desta fase já fazia florescer o questionamento da população. Sendo assim, o Governo de Ernesto Geisel ficou caracterizado pela abertura políticaque promoveria certa amenização do rigor vigente na Ditadura Militar.

Foto: Presidência da República

Foto: Presidência da República

João Baptista de Oliveira Figueiredo foi um geógrafo, político e militar brasileiro, tendo sido 30º Presidente do Brasil de 1979 a 1985 e o último presidente do período do regime militar.

Foto: Arquivo/Agência Senado

Foto: Arquivo/Agência Senado

Brasília- DF,15/03/1979 – No dia 15 de março de 1979, assumiu a presidência da República por meio de eleição indireta.

Foto: Arquivo/Agência Senado

Foto: Arquivo/Agência Senado

Brasília- DF,15/03/1979 – Presidente da República João Figueiredo no clássico desfile no Rolls-Royce ao lado de Aureliano Chaves seu vice.