Donald J. Trump assina ordem executiva garantindo que o povo americano tenha acesso prioritário às vacinas COVID-19 desenvolvidas nos EUA
11 de dezembro de 2020
Peru – Campanha de vacinação para crianças de zero a cinco anos no VIDENA
11 de dezembro de 2020
102
Compartilhe

A forja estelar
Um brilho laranja irradia do centro da NGC 1792, o coração desta forja estelar. Capturada pelo telescópio espacial Hubble da NASA / ESA, esta visão íntima da NGC 1792 nos dá algumas dicas sobre esta usina galáctica. As vastas faixas de azul revelador vistas por toda a galáxia indicam áreas cheias de estrelas jovens e quentes, e é nos tons de laranja, visto mais próximo do centro, que as estrelas mais velhas e mais frias residem.

Situado na constelação de Columba (The Dove), NGC 1792 é uma galáxia espiral e uma galáxia starburst. Dentro das galáxias estelares, as estrelas estão se formando em taxas comparativamente exorbitantes. A taxa de formação de estrelas pode ser mais de 10 vezes mais rápida em uma galáxia estelar do que na Via Láctea. Quando as galáxias têm um grande reservatório de gás, como NGC 1792, essas fases de explosão estelar de curta duração podem ser desencadeadas por eventos galácticos, como fusões e interações de marés. Alguém poderia pensar que essas galáxias estelares consumiriam facilmente todo o seu gás em um grande evento de formação. No entanto, explosões de supernovas e ventos estelares intensos produzidos nessas poderosas explosões estelares podem injetar energia no gás e dispersá-lo. Isso interrompe a formação de estrelas antes que possa esgotar completamente a galáxia de todo o seu combustível. Os cientistas estão trabalhando ativamente para entender essa complexa interação entre as dinâmicas que impulsionam e extinguem essas violentas explosões de formação de estrelas.

Créditos: ESA / Hubble & NASA, J. Lee; CC BY 4.0

ESA / Hubble & NASA