Agentes comunitários fazem mutirão para alertar sobre os riscos da febre chikungunya em Curitiba

http://fotospublicas.s3.amazonaws.com/files/2015/02/entrevista_eduardo-cuna_brasilia_12022015_01.jpg
Câmara desarquiva projeto de Cunha que cria o Dia do Orgulho Heterossexual
12 de fevereiro de 2015
Foto: Tomaz Silva/Agência Brasil
Assassinato de Dorothy Stang completa dez anos
12 de fevereiro de 2015
493
Compartilhe
Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

11/02/2015 – Curtiba – PR, Brasil – Agentes comunitários de saúde realizaram nesta quarta-feira (11) uma ação concentrada para orientar os moradores dos bairros Fanny e Lindoia, em Curitiba, sobre as formas de prevenção da dengue e da febre chikungunya. Com sintomas semelhantes, as duas doenças são transmitidas por mosquitos que precisam de água parada para se reproduzir. As vítimas apresentam febre alta, dor muscular e nas articulações. Desde o início de 2014 até agora, o Brasil já registrou 2.776 casos autóctones confirmados da febre chikungunya. Apesar de nenhum destes casos ter sido verificado na Região Sul, as autoridades sanitárias de todo o país estão buscando esclarecer e conscientizar a população sobre os riscos e cuidados que devem ser tomados. Entre os potenciais transmissores da febre chikungunya estão os mosquitos Aedes albopictus e o Aedes aegypti – já conhecido como transmissor da dengue. Em Curitiba, neste ano, a Secretaria Municipal da Saúde registrou 138 focos do Aedes albopictus e 58 focos do Aedes aegypti.

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS

Foto: Valdecir Galor/SMCS