Ala desativada da Santa Casa vira cenário para gravação de filme, no Pará

Campeonato Mundial de Esportes Aquáticos 2017: Natação, programa da manhã
24 de julho de 2017
Interligação Jaguari-Atibainha tem 80% de obras concluídas
24 de julho de 2017
670
Compartilhe

24.07.2017- BELÉM - PARÁ- Mais de vinte toneladas de equipamentos, setenta profissionais. O movimento nos corredores da ala desativada do centenário prédio da Santa Casa de misericórdia do Pará mostra que tem alguma coisa diferente por lá. Desde o início do mês de julho, o hospital é um dos principais cenários do filme “Eu, Nirvana”, do diretor paraense Roger Elarrat. A personagem principal foi um presente para a atriz Carolina Oliveira (foto). Esta é a segunda vez que ela vive uma paraense nas telonas. FOTO: ALLE PEIXOTO

24.07.2017- BELÉM – PARÁ- Mais de vinte toneladas de equipamentos, setenta profissionais. O movimento nos corredores da ala desativada do centenário prédio da Santa Casa de misericórdia do Pará mostra que tem alguma coisa diferente por lá. Desde o início do mês de julho, o hospital é um dos principais cenários do filme “Eu, Nirvana”, do diretor paraense Roger Elarrat. A personagem principal foi um presente para a atriz Carolina Oliveira (foto). Esta é a segunda vez que ela vive uma paraense nas telonas.
FOTO: ALLE PEIXOTO

24.07.2017- BELÉM – PARÁ- Mais de vinte toneladas de equipamentos, setenta profissionais. O movimento nos corredores da ala desativada do centenário prédio da Santa Casa de misericórdia do Pará mostra que tem alguma coisa diferente por lá. Desde o início do mês de julho, o hospital é um dos principais cenários do filme “Eu, Nirvana”, do diretor paraense Roger Elarrat (foto).
FOTO: ANDERSON BATISTA

24.07.2017- BELÉM – PARÁ- Mais de vinte toneladas de equipamentos, setenta profissionais. O movimento nos corredores da ala desativada do centenário prédio da Santa Casa de misericórdia do Pará mostra que tem alguma coisa diferente por lá. Desde o início do mês de julho, o hospital é um dos principais cenários do filme “Eu, Nirvana”, do diretor paraense Roger Elarrat.
FOTO: AG. Pará

24.07.2017- BELÉM – PARÁ- Mais de vinte toneladas de equipamentos, setenta profissionais. O movimento nos corredores da ala desativada do centenário prédio da Santa Casa de misericórdia do Pará mostra que tem alguma coisa diferente por lá. Desde o início do mês de julho, o hospital é um dos principais cenários do filme “Eu, Nirvana”, do diretor paraense Roger Elarrat.
FOTO: AG. Pará

24.07.2017- BELÉM – PARÁ- Mais de vinte toneladas de equipamentos, setenta profissionais. O movimento nos corredores da ala desativada do centenário prédio da Santa Casa de misericórdia do Pará mostra que tem alguma coisa diferente por lá. Desde o início do mês de julho, o hospital é um dos principais cenários do filme “Eu, Nirvana”, do diretor paraense Roger Elarrat.
FOTO: AG. Pará