Alberto Fernández: “Diego era a Argentina no mundo e nunca poderemos dar-lhe tanta alegria”

Guilherme Boulos,candidato à prefeitura de São Paulo, durante encontro com mulheres em Itaquera
25 de novembro de 2020
Dia Internacional do combate à violência contra a Mulher
25 de novembro de 2020
112
Compartilhe

O presidente Alberto Fernández disse hoje: “Diego era a Argentina no mundo, encheu-nos de alegria e nunca poderemos dar-lhe tanta alegria”, referindo-se ao falecimento do ex-jogador de futebol Diego Armando Maradona, ocorrido esta tarde na festa do Tigre em Buenos Aires , aos 60 anos de idade.

“Hoje é um dia ruim, um dia muito triste para todos os argentinos”, disse o presidente em diálogo com o canal TyC Sports, e refletiu: “A sorte que todos nós tivemos é a sorte de tê-lo visto, de ter desfrutado de seu carinho , ter gozado de seu carinho ”.

O chefe de Estado lembrou então o popular ídolo argentino, pelo qual afirmou ter “eterna gratidão porque durante todo esse tempo nada fez senão me acompanhar e apoiar. Uma pena imensa. Ele era um cara único ”.

Nesse sentido, afirmou: “Duvido que algum dia veremos outro jogador como o Maradona em todos os sentidos, não só pelas qualidades técnicas, mas também por essa coragem, essa força, essa garra, que ele sempre vestiu cada vez que vestia a camisa. que ele tinha que defender. Um jogador excepcional que só nos deu alegria ”.

“O melhor de Diego é que ele era um homem absolutamente genuíno, não era um homem falso, era um homem genuíno que expressava tudo com a força com que jogava futebol, defendia o que queria, maltratava o que odiava. Foi Maradona na sua forma mais pura ”, concluiu o Presidente.

ESTEBAN COLLAZO/Casa Rosada

ESTEBAN COLLAZO/Casa Rosada