Alenquer, Curuá e Monte Alegre intensificam vacinação contra febre amarela

Parceria entrega moradias a famílias de áreas de risco em SP
29 de março de 2017
Michel Temer assina decreto sobre modernização do Riispoa
29 de março de 2017
826
Compartilhe

29/03/2017- CURUÁ - PARÁ, BRASIL- Por causa da localização das ocorrências, a orientação da Sespa é que a vacinação (foto) seja intensificada nas áreas de floresta onde foram encontrados macacos mortos e houve registro da doença. “A febre amarela é uma doença silvestre, portanto, não há motivo para correr aos postos de saúde na cidade, onde a vacina já faz parte do calendário regular de imunização. Nesse momento estamos atendendo os moradores da zona rural e garantimos que não vai faltar vacina para ninguém”, afirma a secretária adjunta de Saúde Pública, Heloísa Guimarães. Estado com cobertura vacinal de quase 80%, o Pará dispõe de cerca de 310 mil doses da vacina contra febre amarela. Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- CURUÁ – PARÁ, BRASIL- Por causa da localização das ocorrências, a orientação da Sespa é que a vacinação (foto) seja intensificada nas áreas de floresta onde foram encontrados macacos mortos e houve registro da doença. “A febre amarela é uma doença silvestre, portanto, não há motivo para correr aos postos de saúde na cidade, onde a vacina já faz parte do calendário regular de imunização. Nesse momento estamos atendendo os moradores da zona rural e garantimos que não vai faltar vacina para ninguém”, afirma a secretária adjunta de Saúde Pública, Heloísa Guimarães. Estado com cobertura vacinal de quase 80%, o Pará dispõe de cerca de 310 mil doses da vacina contra febre amarela.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- CURUÁ – PARÁ, BRASIL- Por causa da localização das ocorrências, a orientação da Sespa é que a vacinação (foto) seja intensificada nas áreas de floresta onde foram encontrados macacos mortos e houve registro da doença. “A febre amarela é uma doença silvestre, portanto, não há motivo para correr aos postos de saúde na cidade, onde a vacina já faz parte do calendário regular de imunização. Nesse momento estamos atendendo os moradores da zona rural e garantimos que não vai faltar vacina para ninguém”, afirma a secretária adjunta de Saúde Pública, Heloísa Guimarães. Estado com cobertura vacinal de quase 80%, o Pará dispõe de cerca de 310 mil doses da vacina contra febre amarela.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- CURUÁ – PARÁ, BRASIL- Por causa da localização das ocorrências, a orientação da Sespa é que a vacinação seja intensificada nas áreas de floresta onde foram encontrados macacos mortos (foto) e houve registro da doença. “A febre amarela é uma doença silvestre, portanto, não há motivo para correr aos postos de saúde na cidade, onde a vacina já faz parte do calendário regular de imunização. Nesse momento estamos atendendo os moradores da zona rural e garantimos que não vai faltar vacina para ninguém”, afirma a secretária adjunta de Saúde Pública, Heloísa Guimarães. Estado com cobertura vacinal de quase 80%, o Pará dispõe de cerca de 310 mil doses da vacina contra febre amarela.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- CURUÁ – PARÁ, BRASIL- Por causa da localização das ocorrências, a orientação da Sespa é que a vacinação seja intensificada nas áreas de floresta onde foram encontrados macacos mortos (foto) e houve registro da doença. “A febre amarela é uma doença silvestre, portanto, não há motivo para correr aos postos de saúde na cidade, onde a vacina já faz parte do calendário regular de imunização. Nesse momento estamos atendendo os moradores da zona rural e garantimos que não vai faltar vacina para ninguém”, afirma a secretária adjunta de Saúde Pública, Heloísa Guimarães. Estado com cobertura vacinal de quase 80%, o Pará dispõe de cerca de 310 mil doses da vacina contra febre amarela.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- As equipes do Governo do Estado seguem empenhadas no trabalho de prevenção à febre amarela no oeste paraense. A vacinação na zona rural dos municípios da região é a prioridade. Profissionais das secretarias de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Segurança e Defesa Social (Segup) garantem apoio às prefeituras, sobretudo, na vacinação das comunidades. A maioria das localidades é de difícil acesso. Algumas ficam em áreas de várzea e a outras chega-se apenas de barco ou moto. Na foto, policiais do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) levam vacinas contra febre amarela para a comunidade Mamiá, na zona rural de Alenquer.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- As equipes do Governo do Estado seguem empenhadas no trabalho de prevenção à febre amarela no oeste paraense. A vacinação na zona rural dos municípios da região é a prioridade. Profissionais das secretarias de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Segurança e Defesa Social (Segup) garantem apoio às prefeituras, sobretudo, na vacinação das comunidades. A maioria das localidades é de difícil acesso. Algumas ficam em áreas de várzea e a outras chega-se apenas de barco ou moto. Na foto, policiais do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) levam vacinas contra febre amarela para a comunidade Mamiá, na zona rural de Alenquer.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- As equipes do Governo do Estado seguem empenhadas no trabalho de prevenção à febre amarela no oeste paraense. A vacinação na zona rural dos municípios da região é a prioridade. Profissionais das secretarias de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Segurança e Defesa Social (Segup) garantem apoio às prefeituras, sobretudo, na vacinação das comunidades. A maioria das localidades é de difícil acesso. Algumas ficam em áreas de várzea e a outras chega-se apenas de barco ou moto. Na foto, policiais do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) levam vacinas contra febre amarela para a comunidade Mamiá, na zona rural de Alenquer.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- As equipes do Governo do Estado seguem empenhadas no trabalho de prevenção à febre amarela no oeste paraense. A vacinação na zona rural dos municípios da região é a prioridade. Profissionais das secretarias de Estado de Saúde Pública (Sespa) e Segurança e Defesa Social (Segup) garantem apoio às prefeituras, sobretudo, na vacinação das comunidades. A maioria das localidades é de difícil acesso. Algumas ficam em áreas de várzea e a outras chega-se apenas de barco ou moto. Na foto, policiais do Grupamento Aéreo de Segurança Pública (Graesp) levam vacinas contra febre amarela para a comunidade Mamiá, na zona rural de Alenquer.
Foto: Rodolfo Oliveira / AG. Pará

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR

29/03/2017- ALENQUER – PARÁ, BRASIL- “É um trabalho preventivo em conjunto entre Sespa e Segup, para que possamos imunizar o maior número de pessoas possível na região. Com as aeronaves a gente consegue chegar às localidades mais distantes e carentes e com muito mais rapidez do que se fôssemos pelas estradas”, explica o major PM Mauro Maués, que coordena o trabalho em Alenquer. Graças ao Graesp, mil pessoas da comunidade quilombola Pacoval (foto), que fica a cerca de 50 quilômetros de Alenquer, foram vacinadas na terça-feira (28).
Foto: ASCOM / POLÍCIA MILITAR