Após acordo com Prefeitura do Rio, garis voltam ao trabalho

343
Foto: PMRJ (08/03/2014)
Foto: PMRJ (08/03/2014)

Rio de Janeiro- RJ, 08/03/2014- Depois de novo acordo entre a Prefeitura do Rio e o Sindicato dos Empregados das Empresas de Asseio e Conservação do Município do Rio de Janeiro, a paralisação dos garis chegou ao fim. Na tarde deste sábado (08/03), em uma audiência de conciliação no Tribunal Regional do Trabalho, com a presença de representantes da Comlurb, do sindicato e de uma comissão de seis garis que lideravam o movimento dissidente, a prefeitura definiu um aumento de 37% no piso salarial da categoria. Assim, o vencimento base – que era de R$ 802,57 – passa para R$ 1.100,00, mais o auxílio insalubridade de 40%, totalizando R$ 1.540,00. Os garis já retornam ao trabalho nesta noite.

Foto: PMRJ (08/03/2014)
Foto: PMRJ (08/03/2014)

Rio de Janeiro- RJ, 08/03/2014- Outra reivindicação atendida pela Prefeitura do Rio foi o aumento do vale-refeição, que passa de R$ 12,00 para R$20,00. O novo acordo também mantém os benefícios já prometidos no primeiro acordo, selado no dia 3 de março: a bonificação de 100% na hora extra para os profissionais que trabalharem nos domingos e feriados, mantendo o direito à folga; plano odontológico; auxílio-creche para ambos os sexos e aumento no seguro de vida, que passa de R$ 6,3 mil para R$ 10 mil. Além disso, os garis agora passam a fazer parte do Acordo de Resultados, o que possibilitará a eles receber até 14º e 15º salário.

Foto: PMRJ (08/03/2014)
Foto: PMRJ (08/03/2014)

Rio de Janeiro- RJ, 08/03/2014- Os representantes da Prefeitura do Rio na reunião foram o chefe da Casa Civil, Pedro Paulo Carvalho Teixeira; o presidente da Comlurb, Vinícius Roriz; e o procurador-geral do Município, Fernando Dionísio. Participaram ainda o presidente do Sindicato de Empregados de Empresas de Asseio e Conservação, Luciano David Araújo, e o vice-presidente Antônio Carlos da Silva; o presidente do TRT, Carlos Alberto Araújo Drummond; a vice-presidente Maria das Graças Cabral Viegas Paranho; e a procuradora regional do Trabalho Débora da Silva Félix.