Armazém do Campo, em SP, completa quatro anos com delivery em meio à pandemia

Cotidiano pelotense durante a pandemia do coronavírus
27 de julho de 2020
Ações de combate às queimadas em áreas próximas às cidades de Corumbá e Ladário.
28 de julho de 2020
165
Compartilhe

São Paulo SP 27 07 2020 Prestes a comemorar quatro anos de existência, o Armazém do Campo em São Paulo se reinventa em meio à pandemia da COVID-19, promovendo a solidariedade e reforçando os ideais de alimentação saudável e luta pela terra. O espaço comercializa produtos orgânicos e agroecológicos da Reforma Agrária, provenientes de assentamentos Sem Terra, cooperativas, agricultura familiar e de empresas no bairro Campos Elíseos desde 31 de julho de 2016. Desde que começou o isolamento social, o estabelecimento tem feito as vendas por delivery.

São Paulo foi a primeira loja do MST com o nome Armazém do Campo. Hoje, são sete abertas em vários estados do Brasil, com unidades em Porto Alegre, Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Recife, Caruaru e São Luís. Além de uma quitanda no centro da capital paulista, que está fechada no momento pela pandemia.

“Os produtos da Reforma Agrária são frutos da luta pela terra ao longo desses 36 anos de existência do MST. Então, nosso esforço foi sempre ter produtos oriundos das cooperativas, dos assentamentos, das comunidades parceiras da agricultura familiar, que hoje representa mais de 70% do que os brasileiros consomem em suas mesas, incluindo leite, derivados, hortifrutigranjeiro, cereais e até mesmo a carne”, explica Ademar Ludwig, coordenador do Armazém do Campo. O espaço também comercializa marcas de cooperativas de assentados, representadas por cafés, mel, geleias, sucos, achocolatados, cervejas artesanais, entre outros.O Armazém do Campo é um ponto de encontro político e cultural que busca aproximar a Reforma Agrária Popular da classe trabalhadora da cidade. Diversas atividades, suspensas no momento de pandemia, compõem a programação do espaço como encontros artísticos, comemorações de datas especiais, festas e debates.foto Brasil de Fato

Brasil de Fato

Brasil de Fato