Atendimento a alunos hospitalizados é ampliado no Paraná

Foto: GEMG
Faop leva às ruas o programa Tapume+Arte e colore o Carnaval de Ouro Preto, em Minas Gerais
21 de fevereiro de 2014
Foto: Pete Souza/ TWH
Presidente Barack Obama se reúne com Dalai Lama na Casa Branca
21 de fevereiro de 2014
619
Compartilhe
Foto: Hedeson Alves/ GEPR

Foto: Hedeson Alves/ GEPR

Curitiba- PR, 21/02/2014- A Secretaria de Estado da Educação iniciou nesta segunda-feira (17) um convênio com o Hospital Cajuru, em Curitiba, para a ampliação do Serviço de Atendimento à Rede de Escolarização Hospitalar (Sareh) na capital. Com isso, a cidade passa a ter oito unidades de atendimento para alunos hospitalizados ou em casa, que não podem frequentar a escola por tratamento de saúde. O hospital terá uma equipe composta por uma pedagoga e três professores da rede estadual de educação para acompanhar diariamente os alunos internados.

Foto: Hedeson Alves/ GEPR

Foto: Hedeson Alves/ GEPR

Curitiba- PR, 21/02/2014- Em 2011, a Secretaria da Educação mantinha convênio com 12 unidades. Para 2014, serão 18 unidades espalhadas em oito municípios de várias regiões do Estado. “Há um incentivo muito grande da atual gestão para garantir o direito à escolarização desses alunos”, contou Thais. No Hospital Infantil Waldemar Monastier, em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba, aproximadamente 17 alunos são atendidos pelo serviço. São três salas de aula, biblioteca e sala de apoio equipadas com tabletes e computadores entregues pela Secretaria.

Foto: Hedeson Alves/ GEPR

Foto: Hedeson Alves/ GEPR

Curitiba- PR, 21/02/2014- Esta quarta-feira (19) foi o primeiro dia de aula do aluno Patrick Jorge dos Santos, 11 anos, do 6° ano, que está internado no Hospital Infantil. “O atendimento é excelente. Além disso, essa é uma oportunidade para que os alunos não sejam prejudicados com a perda dos conteúdos no tempo em que estão em tratamento”, disse Carlos Pedroso dos Santos, pai de Patrick. A dona de casa Sueli Aparecida de Oliveira, mãe da aluna Thaynara de Oliveira Reiser, 13 anos, do 8° ano, também aprova o atendimento prestado pela Secretaria da Educação à filha hospitalizada. “É importante esse atendimento porque ela não vai ficar atrasada em relação aos colegas que estão na escola”. O aluno Gustavo Martins, 11 anos, do 6° ano, também é atendido diariamente no hospital. “Aqui é melhor porque tem menos barulho e dá para se concentrar mais e também aprender mais”, contou Gustavo.