Atingidos por grandes eventos encerram encontro com ato e reivindicações

Foto: Jhony Laurente/ Prensa Presidencia del Peru
Festa de lançamento do Festival de San Pedro e San Pablo de Unicachi, no Peru
4 de maio de 2014
Foto: Fábio Arantes / SECOM-PMSP
Prefeitura de São Paulo apoia a 18ª Parada do Orgulho LGBT da cidade
4 de maio de 2014
363
Compartilhe
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil (03/05/2014)

Belo Horizonte- MG, 03/05/2014- Participantes do Encontro dos Atingidos – Quem Perde com os Megaeventos e Megaempreendimentos, promovido pela Associação Nacional dos Comitês Populares da Copa (Ancop) em Belo Horizonte, fizeram hoje (3) ato no centro da capital mineira. Ao longo do percurso, eles denunciaram uma série de violações de direitos, sobretudo os despejos forçados que ocorreram, nos últimos anos, na preparação das 12 cidades-sede da Copa do Mundo.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil (03/05/2014)

Belo Horizonte- MG, 03/05/2014- A casa de Ivanildo Teixeira em Fortaleza, na qual morava há 47 anos, foi uma das 66 abaladas na comunidade Lauro Vieira Chaves. Hoje, ele recebe aluguel social no valor de R$ 400. Apesar da mudança brusca, Ivanildo comemora a união dos movimentos e dos atingidos pela Copa. “A gente veio para lutar e fazer valer nossos direitos, porque espera que essa mobilização faça diferença com o governo e com a Fifa”. A Ancop estima que 250 mil pessoas tiveram a moradia ameaçada devido às obras de mobilidade urbana e infraestrutura nas cidades-sede. Como alguns projetos seguem em curso, ainda não é possível precisar quantas famílias perderam a moradia ou foram reassentadas.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil (03/05/2014)

Belo Horizonte- MG, 03/05/2014- Em junho do ano passado, o Centro Nacional em Defesa dos Direitos Humanos da População em Situação de Rua e dos Catadores de Materiais Recicláveis (CNDDH), instituído pela Secretaria Nacional de Direitos Humanos da Presidência da República, denunciou que os moradores vinham sendo alvos de abordagens violentas por parte de agentes públicos durante as madrugadas. O CNDDH aponta que 100 moradores de rua foram assassinados em Belo Horizonte entre 2011 e 2013.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil (03/05/2014)

Belo Horizonte- MG, 03/05/2014- O ato que encerrou o Encontro de Atingidos passou por ruas do centro. Em frente ao Mercado Central da cidade, os ativistas gritaram palavras de ordem contra a Fifa: “Não vai ter Copa”. A agente comunitária de saúde Jaqueline Magalhães, 36 anos, estava com amigas em um restaurante quando foi surpreendida pela mobilização. Ela disse concordar com os protestos: “Não tem dinheiro para a saúde, vai ter para a Copa?”.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil (03/05/2014)

Belo Horizonte- MG, 03/05/2014- A alguns metros dali, os manifestantes passaram em frente à Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais, onde pessoas que se inscreveram como voluntárias para trabalhar no campeonato recebiam treinamento. Da janela, eles viram os atingidos seguirem até a Praça da Liberdade, onde o Relógio da Copa marcava os 40 dias que faltam para o início do Mundial. Em protesto, os participantes queimaram um cartaz de uma das marcas patrocinadoras da Copa e uma réplica da taça. Também exibiram faixas e cartazes com suas reivindicações. De acordo com a Polícia Militar de Minas Gerais, 600 pessoas participaram do ato.