Caminhoneiros superam dias de isolamento na BR-364, em Rondônia

Foto: José Cruz/ Agência Brasil
Nefi Cordeiro toma posse como ministro do Superior Tribunal de Justiça
3 de abril de 2014
Foto: Brito/ Agência Brasília (03/04/2014)
Representantes da Boeing visitam Brasília em busca de parcerias
4 de abril de 2014
460
Compartilhe
Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Vila Abunã- RO, 03/04/2014- Liberado para tráfego na última segunda-feira, 31, o novo porto de atracamento construído pelo governo do Acre, por meio do Deracre, na Vila Abunã (RO) virou sinal de esperança para caminhoneiros que aguardam por auxílio. O percurso que se fazia em pelo menos oito horas, entre os dois estados, já se conta em dias.

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Os caminhões passam por uma triagem feita em Porto Velho pela equipe da Defesa Civil do Acre, que identifica os que poderão seguir viagem. A prioridade é dada aos veículos de grande porte carregados com produtos de primeira necessidade.

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Adílio Silva do Nascimento, caminhoneiro, mora em Porto Velho e está há 19 dias a caminho do Acre trazendo sacas de cimento. Mesmo sabendo dos riscos, resolveu enfrentar a estrada alagada. Conseguiu passar o primeiro trecho, mas no segundo teve que se juntar aos demais que aguardam a travessia em pranchas rebocadas por máquinas no quilômetro 881, que possui 1,40m de lâmina d’água.

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Os veículos passam um a um, sobre a área balizada por Bombeiros e Defesa Civil do Acre. Ainda assim, é preciso cautela no percurso, que recebe camada de pedras para reduzir a correnteza. Célio Henning, também caminhoneiro, morador de Rio Branco, veio com 1.780 botijas de gás de 7 quilos, teve que aguardar o retorno na estrada por 15 dias.

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

“A gente tem que se virar do jeito que dá. Acampamos algumas vezes em um restaurante em Vila Jirau, a comida está sendo dividida entre a gente mesmo, que usa as cozinhas improvisadas ao lado dos caminhões”, desabafa Célio.

Foto: Sérgio Vale/ Secom

Foto: Sérgio Vale/ Secom

De acordo com representantes da Defesa Civil do Acre enviados para acompanhar as operações nas áreas alagadas da BR-364, o Rio Madeira baixou pouco mais de 40 centímetros nos últimos quatro dias, o que favorece ainda que sejam minimizadas as operações das equipes acreanas.