Caranguejos voltam a invadir a Praia de Itaguaré, em Bertioga

Foto: Ciete Silvério/ GESP (23/03/2010)
Projeto Guri abre inscrições em São Paulo
9 de janeiro de 2014
Foto: Tania Rego/ Agência Brasil
Após protestos, policiais acompanham demolições na Favela do Metrô
9 de janeiro de 2014
4301
Compartilhe
Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Bertioga- SP, 08/01/2014- A Praia de Itaguaré, em Bertioga, amanheceu repleta de caranguejos da espécie uçá. O fenômeno, a exemplo do ano passado, ocorreu em função da chuva intensa que atingiu a região nos últimos dias, trazendo muita água doce para os manguezais. Como os caranguejos vivem em água salobra, eles procuraram o mar.

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Bertioga- SP, 08/01/2014- Uma equipe da Diretoria de Operações Ambientais (DOA), órgão subordinado à Secretaria de Meio Ambiente da Prefeitura do Município, está no local, desde as primeiras horas da manhã desta quarta-feira (08), fazendo o resgate dos animais e levando de volta ao mangue. De acordo com o diretor da DOA, trata-se de um fenômeno natural, que levou os caranguejos a irem à busca de água salgada.

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Bertioga- SP, 08/01/2014- O habitat dessa espécie é o mangue, uma área de transição entre o rio e o mar. O resgate é necessário para evitar que os caranguejos morram na praia. “Essa fuga do excesso de água doce é uma seleção natural, já que alguns caranguejos não vão sobreviver na praia e nem mesmo na água muito salgada.

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Foto: Renata de Brito/ Prefeitura de Bertioga (08/01/2014)

Bertioga- SP, 08/01/2014- Além disso, por conta do calor da areia, eles também podem morrer. Resgatá-los é a melhor maneira para preservar a espécie, porque assim, os que sobreviverem fortalecerão o DNA para as próximas gerações”, explica o diretor.