Cinco anos depois do terremoto que devastou o Haiti, grande parte da população vive com menos de um dólar por dia

Foto: Edson Lopes Jr/A2AD
Ligação Tamoios-Aeroporto de São José dos Campos é entregue com dois meses de antecedência
12 de janeiro de 2015
Vaticano está em alerta máximo para ataques terroristas
12 de janeiro de 2015
476
Compartilhe
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Devastado por um terremoto em 12 de janeiro de 2010, o Haiti ainda está à espera da reconstrução. A realidade ainda é dura: grande parte da população vive com menos de um dólar por dia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Devastado por um terremoto em 12 de janeiro de 2010, o Haiti ainda está à espera da reconstrução. A realidade ainda é dura: grande parte da população vive com menos de um dólar por dia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porto Principe – Haiti – O principal ponto de venda foi atingido pelo terremoto e ainda não foi reconstruído, o comércio informal está em todas as partes. Os haitianos vendem um pouco de tudo nas ruas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porto Principe – Haiti – O principal ponto de venda foi atingido pelo terremoto e ainda não foi reconstruído, o comércio informal está em todas as partes. Os haitianos vendem um pouco de tudo nas ruas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porto Principe – Haiti – Devastado por um terremoto em 12 de janeiro de 2010, o Haiti ainda está à espera da reconstrução. A realidade ainda é dura: grande parte da população vive com menos de um dólar por dia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porto Principe – Haiti – O principal ponto de venda foi atingido pelo terremoto e ainda não foi reconstruído, o comércio informal está em todas as partes. Os haitianos vendem um pouco de tudo nas ruas

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porto Principe – Haiti -O principal ponto de venda foi atingido pelo terremoto e ainda não foi reconstruído, o comércio informal está em todas as partes. Os haitianos vendem um pouco de tudo nas ruas.

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Porto Principe – Haiti – Devastado por um terremoto em 12 de janeiro de 2010, o Haiti ainda está à espera da reconstrução. A realidade ainda é dura: grande parte da população vive com menos de um dólar por dia

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Chapecó (SC) – Trabalhadores haitianos durante intervalo de suas atividades em frigorífico de Chapecó

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Chapecó (SC) – Alojamento onde moram 56 trabalhadores haitianos

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Chapecó (SC) – Trabalhadores haitianos em troca de turno na empresa de alimentos onde trabalham

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Chapecó (SC) – Blandine Doris Car, sofreu aborto natural aos 2 meses de gestação e alega que perdeu o movimento das pernas. Foi demitida da empresa de alimentos onde trabalhava