Cinemateca Capitólio será aberta ao público nesta sexta-feira em Porto Alegre

Foto: Minex Guatemala
Ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, participa de encontro diplomático na Guatemala
26 de março de 2015
Foto Fernanda Carvalho/ Fotos Publicas 20/03/2015 Foto Fernanda Carvalho/ Fotos Publicas 20/03/2015
Prefeitura entra na Justiça para derrubar liminar que parou ciclovias
26 de março de 2015
330
Compartilhe
Foto: Betina Carcuchinski/PMPA

Foto: Betina Carcuchinski/PMPA

Foto: Betina Carcuchinski/PMPA

Foto: Betina Carcuchinski/PMPA

26/03/2015 – Porto Alegre – RS, Brasil – Após um amplo processo de restauro, a Cinemateca Capitólio abre suas portas nesta sexta-feira, 27. Parte da programação do aniversário de 243 anos de Porto Alegre, a cerimônia oficial de inauguração será às 10h30. As atividades ao público começam a partir das 19h. Os participantes poderão visitar o prédio e assistir à sessão inaugural. No programa, o curta metragem Início do Fim, de Gustavo Spolidoro (filmado nas ruínas do prédio), e o longa Vento Norte, de Salomão Scliar (primeiro longa-metragem de ficção sonoro realizado no Rio Grande do Sul). A sessão inaugural conta com o apoio do Museu de Comunicação Social Hipólito José da Costa, que cedeu a cópia de Vento Norte para esta exibição.
 Ao longo do fim de semana, 28 e 29 de março, as portas também estarão abertas ao público, com exibições gratuitas de três grandes clássicos do cinema, A Doce Vida, de Federico Fellini, O Leopardo, de Luchino Visconti, e Alphaville, de Jean-Luc Godard.  A conclusão das obras da Cinemateca Capitólio representa um momento histórico na vida cultural de Porto Alegre. Iniciado em 2004, o longo e complexo processo de restauração do Cine-Theatro Capitólio, uma das mais luxuosas salas de cinema da cidade, além de recuperar a vocação original do espaço como sala de exibição, também teve o objetivo de transformar o prédio em um local destinado à preservação da memória audiovisual do Rio Grande do Sul. O restauro foi financiado pela Petrobrás, pelo BNDES e pelo Ministério da Cultura, e também contou com recursos da Prefeitura de Porto Alegre, proprietária do prédio.