Começa nova etapa de dragagem no Porto de Paranaguá, no Paraná

foto: Carlos Alberto / Imprensa MG
Instalado primeiro bloqueador de celular em unidade prisional de Minas Gerais
21 de novembro de 2013
Marcello Casal Jr/ Agência Brasil
Senadores do PT visitam condenados do mensalão na Papuda, em Brasília
21 de novembro de 2013
579
Compartilhe
Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR (20/11/2013)

Paranaguá- PR, 20/11/2013- A nova campanha de dragagem de manutenção dos portos paranaenses começou na manhã de ontem (20/11), em Paranaguá. O superintendente da Administração dos Portos de Paranaguá e Antonina (Appa, )Luiz Henrique Dividino, afirma que, durante a obra, não haverá restrições de navegação no canal, nem das atividades de pesca, apenas alguns cuidados adicionais de segurança.

Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR

Paranaguá- PR, 20/11/2013- A draga chinesa Xin Hai Niu irá retirar, nesta primeira fase, 1,3 milhão de metros cúbicos de sedimentos, na bacia de evolução (área Charlie 1) e nos berços (Charlie 2). Além destas áreas, serão dragados os canais de acesso ao Porto de Paranaguá e ao Porto de Antonina. A obra custará R$ 115 milhões e será paga com recursos próprios Appa. No caso da bacia de evolução, a profundidade voltará aos 12 metros originais e nos berços, vai variar de 8,5 a 13 metros.

Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR

Paranaguá- PR, 20/11/2013- O secretário de infraestrutura e logística, José Richa Filho, explica que a dragagem vai permitir que os portos estejam aptos a receber navios maiores e que as embarcações possam carregar em plena capacidade. “Estamos entregando mais uma etapa dos compromissos assumidos em nosso Plano de Governo, restabelecendo as condições de navegação e elevando a produtividade do porto”, completa o secretário.

Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR

Paranaguá- PR, 20/11/2013-

Foto: Appa/ GEPR

Foto: Appa/ GEPR

Paranaguá- PR, 20/11/2013- Nessa etapa inicial da obra, as dragas são as autotransportadoras do tipo Hopper Xin Hai Niu, com capacidade de 10 mil metros cúbicos, e a Sucuri, de 600 metros cúbicos. Segundo a empresa DTA Engenharia, vencedora da licitação, o material dragado será carregado na cisterna da draga até o local de despejo. Estima-se que o trajeto seja feito de três a cinco vezes diariamente.