Cristina Kirchner classifica greve nacional como “opositora”

O primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, pede ‘acordo melhor’ com o Irã sobre programa nuclear
1 de abril de 2015
Foto: Salvador Scofano/ Secom RJ
PM do RJ dá início à ocupação da Maré no lugar de Exército e Marinha
1 de abril de 2015
321
Compartilhe
Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

31/03/2015- Buenos Aires- A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, criticou a greve nacional que paralisou o país nesta terça-feira, a rotulou de opositora e assegurou que seu efeito foi maior porque o transporte não funcionou. “Não estou zangada, porque se não tivesse havido greve de transporte, como o que realmente foi, não teria havido greve nacional. Todos sabem disso. Teriam todos ido trabalhar”, disse a governante. Na foto Kirchner se reune, com mebros  do governo.

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

31/03/2015- Buenos Aires- A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, criticou a greve nacional que paralisou o país nesta terça-feira, a rotulou de opositora e assegurou que seu efeito foi maior porque o transporte não funcionou. “Não estou zangada, porque se não tivesse havido greve de transporte, como o que realmente foi, não teria havido greve nacional. Todos sabem disso. Teriam todos ido trabalhar”, disse a governante. Na foto Kirchner e o Governador Daniel Scioli inauguram obras de água potável em Gonzalez Catan, La Matanza.

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015

Foto: Presidência da Argentina 31/03/2015