Dom Sérgio abençoa alimentos doados pelo MST em Ponta Grossa; é “uma aula de solidariedade”

Oak Racing Team realizou ação inédita no país com artista pintando Porsche 911 à mão nos boxes de Interlagos
27 de fevereiro de 2021
Vigilância Sanitária Estadual intensifica fiscalização no Toque de Restrição em São Paulo
27 de fevereiro de 2021
178
Compartilhe

Alimentos serão partilhados neste sábado com 500 famílias em situação de vulnerabilidade. As doações vieram de quatro acampamentos e um assentamento da região sul do Paraná. 

Dom Sérgio Arthur Braschi, bispo da Diocese de Ponta Grossa, realizou nesta sexta-feira (26) a bênção dos alimentos que serão doados pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) a 500 famílias em situação de vulnerabilidade em sete bairros em Ponta Grossa. As cestas serão entregues neste sábado (27).

A cerimônia religiosa ocorreu pela manhã na sede do pré-assentamento Emiliano Zapata, no município de Ponta Grossa, onde estão sendo preparadas as cestas de alimentos cultivados nas comunidades do MST na região – assentamento Contestado, da Lapa; os acampamentos Maria Rosa do Contestado e Padre Roque Zimmermann, de Castro; e o acampamento Reduto de Caraguatá, do município de Paula Freitas, além do Emiliano Zapata.

Dom Sérgio destacou os esforços dos trabalhadores rurais, entre homens e mulheres, na colheita dos alimentos nas diversas comunidades. “Pedimos a bênção de Deus para todos esses locais de trabalho, onde estão sendo feita a colheita desses alimentos e a produção de pães”.  O bispo destacou ainda a ação de solidariedade durante a crise sanitária da Covid-19: “Um gesto de partilha durante a pandemia. Por traz desse trabalho, tem as mãos calejadas no cultivo dos alimentos que vão chegar à mesa dos pobres. Os pobres repartindo com os pobre. Eu quero agradecer ao MST e a todos os trabalhadores e trabalhadoras Sem terra aqui dos acampamentos e assentamento que estão dando uma aula de solidariedade a partir dessa atitude”.

O evento contou com a presença de lideranças religiosas e políticas de Ponta Grossa. Joabe Mendes de Oliveira, da direção estadual do MST no Paraná, destacou que os alimentos são resultados do cultivo orgânico, livre de agrotóxicos. Ressaltou ainda o caráter solidário das doações no esforço de amenizar a fome durante a pandemia. “As cestas são frutos do nosso trabalho, dos trabalhadores do campo para trabalhadores da cidade”.

Entre os itens estão feijão, arroz, milho verde, mandioca, verduras, temperos, goiaba, limão, batata doce e abóbora. Os coletivos de mulheres das comunidades também vão produzir 500 pães caseiros.

A atividade vem sendo preparada desde o final de 2020, com o plantio de lavouras coletivas e aumento da produção por parte das famílias camponesas. O feijão orgânico, por exemplo, foi plantado em setembro e colhido em mutirão no mês de janeiro. Os últimos dias também têm sido de trabalho conjunto para pesar e empacotar os grãos. A colheita dos alimentos frescos ocorreu nesta quinta e sexta-feira.

A ação faz parte das ações de solidariedade realizadas pelo MST desde o início da pandemia da Covid-19, em março de 2020. Somente no Paraná, mais de 510 toneladas de alimentos já foram doados.

Joabe Mendes de Oliveira, integrante da direção estadual do MST do Paraná e acampado na comunidade Padre Roque Zimmermann, fala sobre a prioridade do MST na produção de alimentos: “Estamos colocando os nossos territórios 100% à disposição da sociedade, para cumprir a sua função social, produzir alimentos saudáveis e de qualidade, para distribuir para as pessoas que estão passando por um momento difícil de pandemia no nosso país”.

 

Adriana Prestes, moradora da comunidade Emiliano Zapata, destacou a satisfação do gesto e trabalho coletivo das comunidades envolvidas, além do apoio de todas as entidades parceiras do MST.  “Uma emoção muito grande ver todo esse trabalho coletivo, poder entregar os alimentos a várias famílias. Uma honra”.

No final da cerimônia de bênção, Dom Sergio foi presenteado com uma camiseta vermelha, símbolo do MST.

Também somam na atividade o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato); a Central Única dos Trabalhadores (CUT-PR); a Frente Brasil Popular; Pastorais da Igreja Católica; Cáritas; Sindicato dos Docentes da UEPG (SindUEPG); Sindicato dos Técnicos e Professores da UEPG (Sintespo); Sindicato dos Trabalhadores da Indústria da Carne; Intersindical; Comunidades Eclesiais de Base (CEBs); Frente Ampla Democrática; Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Saúde, Trabalho, Previdência Social e Ação Social do Estado do Paraná (Sindprevs); além de amigos e parceiros do MST.

A ação tem seguido todos os protocolos de saúde, com distanciamento social e uso de máscaras, para a segurança de quem faz a doação e também de quem receberá os alimentos.