Fabricação de moeda cai e troco some do mercado

Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini
Pavilhão C do Presídio Central de Porto Alegre começa a ser demolido
14 de outubro de 2014
Foto: Cláudio Thomas/ Secom
Forte chuva de granizo danifica imóveis e veículos em Lages, na Serra Catarinense
14 de outubro de 2014
1427
Compartilhe
Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

14/10/2014 – Brasil – As causas para o sumiço do troco na rede bancária são os cortes sucessivos no orçamento do Banco Central. Sem recursos, a instituição foi obrigada a reduzir as encomendas de moedas para menos de um terço dos pedidos feitos no ano passado. Em cédulas, foram solicitadas menos da metade das unidades de 2013, segundo o contrato firmado entre o BC e a Casa da Moeda, responsável pela fabricação de dinheiro no País. No ano passado, a Casa da Moeda produziu 3,15 bilhões de cédulas e 2,3 bilhões de moedas de todos os valores para o BC. Neste ano, a previsão é fabricar 1,2 bilhão de cédulas e somente 945 milhões de moedas. Essas são as quantidades previstas em contrato para todo o ano. Mas, passados nove meses, a fabricação está muito abaixo dessa previsão. E o orçamento destinado para esse fim já foi praticamente todo gasto. Na foto: Moedas

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

14/10/2014 – Brasil –  De janeiro a setembro, a Casa da Moeda produziu 654 milhões de cédulas e 286 milhões de moedas, quantidade significativamente inferior à dos últimos anos. Em 2012, foram 2,8 bilhões de cédulas e 1,2 bilhão de moedas. Até o momento, porém, não há evidências de que essa produção menor tenha se refletido em diminuição da base monetária – o dinheiro em circulação. Uma hipótese para isso é que, para economizar, o BC tenha, por exemplo, mandado imprimir uma nota de R$ 100 no lugar de cinco de R$ 20 ou de 50 de R$ 2.

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens

Foto: USP Imagens