Festival Museu Nacional Vive

Matheus Iorio fica a 0s2 do pódio em Monza e sobe na classificação geral da Euroformula F3 Open
23 de setembro de 2018
Operário Campeão do Brasileirão Série C
23 de setembro de 2018
498
Compartilhe

Festival Museu Nacional Vive
O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

O festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, mostra ao público o trabalho de pesquisadores e parte do acervo, após o grande incêndio de 2 de setembro no Museu Nacional do Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil

Réplicas do rosto e crânio de Luzia, o fóssil humano mais antigo encontrado na América, impressos em 3D, estão expostos no festival Museu Nacional Vive, na Quinta da Boa Vista, no Rio de Janeiro.Foto Fernando Frazão/Agência Brasil