Governo garante novo abrigo para índios venezuelanos refugiados em Belém

Escola de Dança da Funceb lança núcleo de estudos em danças afro-brasileiras, na Bahia
2 de novembro de 2017
Jurunas recebe unidade móvel de vacinação, em Belém
2 de novembro de 2017
688
Compartilhe
01/11/2017- BELÉM – PARÁ- O governo do Estado vai destinar uma casa na travessa Joaquim Távora, na Campina, em Belém, para servir como abrigo definitivo aos cerca de 80 índios venezuelanos da etnia Warao refugiados na capital paraense. A partir da próxima segunda-feira (6), em um trabalho conjunto, órgãos estaduais e municipais farão o cadastro dos indígenas que estão no abrigo do Pro Paz, no Mangueirão, e na área do Ver-o-Peso, para que seja feita a transferência para o novo imóvel. O objetivo é garantir assistência integral a essa população, que chega fugindo da crise econômica e política do país sul-americano. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ

01/11/2017- BELÉM – PARÁ- O governo do Estado vai destinar uma casa na travessa Joaquim Távora, na Campina, em Belém, para servir como abrigo definitivo aos cerca de 80 índios venezuelanos da etnia Warao refugiados na capital paraense. A partir da próxima segunda-feira (6), em um trabalho conjunto, órgãos estaduais e municipais farão o cadastro dos indígenas que estão no abrigo do Pro Paz, no Mangueirão, e na área do Ver-o-Peso, para que seja feita a transferência para o novo imóvel. O objetivo é garantir assistência integral a essa população, que chega fugindo da crise econômica e política do país sul-americano. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ

01/11/2017- BELÉM – PARÁ- O governo do Estado vai destinar uma casa na travessa Joaquim Távora, na Campina, em Belém, para servir como abrigo definitivo aos cerca de 80 índios venezuelanos da etnia Warao refugiados na capital paraense. A partir da próxima segunda-feira (6), em um trabalho conjunto, órgãos estaduais e municipais farão o cadastro dos indígenas que estão no abrigo do Pro Paz, no Mangueirão, e na área do Ver-o-Peso, para que seja feita a transferência para o novo imóvel. O objetivo é garantir assistência integral a essa população, que chega fugindo da crise econômica e política do país sul-americano. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ

01/11/2017- BELÉM – PARÁ- O governo do Estado vai destinar uma casa na travessa Joaquim Távora, na Campina, em Belém, para servir como abrigo definitivo aos cerca de 80 índios venezuelanos da etnia Warao refugiados na capital paraense. A partir da próxima segunda-feira (6), em um trabalho conjunto, órgãos estaduais e municipais farão o cadastro dos indígenas que estão no abrigo do Pro Paz, no Mangueirão, e na área do Ver-o-Peso, para que seja feita a transferência para o novo imóvel. O objetivo é garantir assistência integral a essa população, que chega fugindo da crise econômica e política do país sul-americano. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ

01/11/2017- BELÉM – PARÁ- O governo do Estado vai destinar uma casa na travessa Joaquim Távora, na Campina, em Belém, para servir como abrigo definitivo aos cerca de 80 índios venezuelanos da etnia Warao refugiados na capital paraense. A partir da próxima segunda-feira (6), em um trabalho conjunto, órgãos estaduais e municipais farão o cadastro dos indígenas que estão no abrigo do Pro Paz, no Mangueirão, e na área do Ver-o-Peso, para que seja feita a transferência para o novo imóvel. O objetivo é garantir assistência integral a essa população, que chega fugindo da crise econômica e política do país sul-americano. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ

01/11/2017- BELÉM – PARÁ- O governo do Estado vai destinar uma casa na travessa Joaquim Távora, na Campina, em Belém, para servir como abrigo definitivo aos cerca de 80 índios venezuelanos da etnia Warao refugiados na capital paraense. A partir da próxima segunda-feira (6), em um trabalho conjunto, órgãos estaduais e municipais farão o cadastro dos indígenas que estão no abrigo do Pro Paz, no Mangueirão, e na área do Ver-o-Peso, para que seja feita a transferência para o novo imóvel. O objetivo é garantir assistência integral a essa população, que chega fugindo da crise econômica e política do país sul-americano. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ