Governo regulariza terra quilombola e beneficia 25 famílias em Cametá, no Pará

Oitava edição da Feira Estadual de Ciência, Tecnologia e Inovação bate recorde de público, no Pará
27 de outubro de 2017
Escola da Cabanagem ganha espaço do projeto Livro Solidário, no Pará
27 de outubro de 2017
653
Compartilhe
Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ

Dona Maria da Conceição Prudente Freitas, 38 anos, e representantes de mais 24 famílias da comunidade quilombola Ilha Grande de Cupijó (foto), em Cametá, no Baixo Tocantins, viram o sonho de seus antepassados finalmente se  tornar realidade. Nesta quinta-feira (26), eles foram beneficiados com título coletivo de propriedade expedido pelo Instituto de Terras do Pará (Iterpa). A entrega foi conduzida pela secretária de Municípios Sustentáveis, Izabela Jatene, e contou com a participação de representantes de pastas estaduais, comunidades e autoridades municipais. "Esse documento representa para nós uma grande vitória. É muito bom vermos, depois de anos de luta, a nossa terra ser reconhecida. Agora teremos mais segurança na nossa produção e mais facilidade no acesso a benefícios", afirmou Maria Conceição, 38 anos, que é filha de quilombolas e mora há 28 anos na localidade. FOTO: THIAGO GOMES / AG. PARÁ DATA: 26.10.2017 CAMETÁ – PARÁ