A família da mestra da cultura Macuxi, Bernaldina José Pedro, conhecida como Vovó Bernaldina, luta para levar seus restos mortais à comunidade Maturuca

Guilherme Boulos e Bruno Covas , candidatos à prefeitura de São Paulo, antes do programa do Roda Viva na TV Cultura
24 de novembro de 2020
Candidato à prefeitura de São Paulo, Guilherme Boulos, se encontra com servidores da área da segurança
24 de novembro de 2020
175
Compartilhe

Boa Vista (RR) –24 11 2020 Há quase seis meses, a família luta para levar os restos mortais da mestra da cultura Macuxi Bernaldina José Pedro, conhecida como Vovó Bernaldina, para a comunidade Maturuca, onde viveu desde os 20 anos de idade. A matriarca foi uma das líderes pela demarcação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, em Roraima. Em 14 de junho, ela foi levada às pressas de seu território para a capital Boa Vista, onde recebeu tratamento para a Covid-19 no Hospital Geral de Roraima. Nunca mais voltou. À revelia da família, o corpo de Vovó Bernaldina foi enterrado em uma sepultura comum no Parque Cemitério Campo da Saudade, em Boa Vista. “A pessoa que morre tem que ser enterrada na comunidade em que começou a sua luta, os seus trabalhos, e também onde deixou suas lembranças e legados, para não ficar tão esquecido quanto se ficar enterrado na cidade”, desabafou Charles Gabriel, um dos seis filhos da vovó, que deixou 15 netos.Ele teme que, enterrada tão longe de casa, ela seja esquecida pela comunidade. A anciã era uma liderança reconhecida internacionalmente pela luta da demarcação da Terra Indígena Raposa Serra do Sol, homologada em 2005. Esteve com o Papa Francisco, em Roma, em 2018. Foto Dsei Yanomami

RS Maturuca

Dsei Yanomami

Dsei Yanomami

Sesai