Hortas públicas promovem interação entre comunidades de Salvador

Presidente da República, Michel Temer durante encontro com Governador do Estado de Santa Catarina, Eduardo Pinho Moreira
25 de abril de 2018
Clube da Imprensa 2018
25 de abril de 2018
579
Compartilhe

Alface, couve, quiabo, milho, caju e goiaba são algumas das opções produzidas nas hortas comunitárias de Salvador. A iniciativa conta com a parceria da Prefeitura, por meio da Secretaria da Cidade Sustentável (Secis), e já podem ser encontradas três unidades, além da experiência em duas escolas municipais.

As unidades estão presentes nos bairros da Pituba, Alto do Itaigara, Horto Florestal e Rio Sena. A população do bairro do Imbuí receberá o primeiro plantio de frutas e hortaliças no fim de abril. A iniciativa promove o trabalho em conjunto, além de fornecer alimentos para as comunidades do entorno. As hortas funcionam a partir do trabalho compartilhado entre os membros da comunidade, em atividades como regamento, vigilância, limpeza, coleta e manejo dos vegetais.

Exemplo – Localizada no Subúrbio Ferroviário, a horta da Escola Municipal Fernando Presídio, no bairro de Paripe, tem o auxílio dos 300 alunos da unidade – do 1º ao 5º ano letivo. Eles realizam atividades como manejo de mudas, adubação e cuidados com as plantas e limpeza dos canteiros.

“A ideia da horta era uma demanda antiga do corpo docente, mas não havia conhecimento técnico e os projetos não vingavam. A partir do apoio da Prefeitura e da comunidade, conseguimos dar prosseguimento e hoje contamos com um sistema funcional e totalmente autossuficiente”, garante a diretora da unidade, Cássia Silva Góes.

Os vegetais colhidos na horta comunitária são utilizados para confecção da merenda escolar. O excedente é doado para instituições beneficentes de diversos bairros de Salvador. Além do consumo, a educadora ressalta que o convívio com a horta mudou os hábitos dos estudantes.

“Primeiro percebemos uma reeducação alimentar nas crianças. Eles têm orgulho de estarem comendo da horta, passaram a reconhecer os alimentos e a importância nutricional. Além disso, e ultrapassando as fronteiras da unidade escolar, temos diversos relatos de estudantes que levaram a ideia para casa e hoje têm as próprias hortas residenciais”, comemora Cássia.

Horta na Paulo VI_Foto_Jefferson Peixoto_Secom_Pms

Secom_Pms

Secom_Pms