Hospitais do Estado do Pará reforçam o combate à mortalidade neonatal

Bombeiros reforçam segurança na ilha do Mosqueiro, no Pará
30 de julho de 2017
Chapecoense leva virada e perde para o Atlético GO
30 de julho de 2017
534
Compartilhe

Com apenas 16 anos, Diene Silva (foto), moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem. FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ DATA: 30.07.2017 BELÉM - PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva (foto), moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem. A dona de casa Arlete Dias, 40 anos (foto), que passou a ser uma entusiasta do método depois que o terceiro filho nasceu prematuro, aos seis meses.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (foto). Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém (foto). Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem. A dona de casa Arlete Dias, 40 anos (foto), que passou a ser uma entusiasta do método depois que o terceiro filho nasceu prematuro, aos seis meses.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva (foto), moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva (foto), moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem. A dona de casa Arlete Dias, 40 anos (foto), que passou a ser uma entusiasta do método depois que o terceiro filho nasceu prematuro, aos seis meses.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ

Com apenas 16 anos, Diene Silva, moradora de Barcarena, teve o primeiro filho de forma prematura. O bebê, uma menina, nasceu de sete meses e pesando pouco mais de um quilo na maternidade da Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará, em Belém. Mas graças ao Método Canguru ela já ganhou quase 500 gramas e vem se desenvolvendo muito bem.
FOTO: CRISTINO MARTINS / AG. PARÁ
DATA: 30.07.2017
BELÉM – PARÁ