Inquérito policial é instaurado e equipes da Segup já fazem apuração em área da fazenda Santa Lúcia

Posse de 2.477 soldados reforça a segurança pública no Estado de São Paulo
26 de maio de 2017
Michel Temer em reunião Gabinete de Segurança Institucional
26 de maio de 2017
366
Compartilhe

25/05/2017- PAU D'ARCO - PARÁ- BRASIL- Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram (foto) com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil. FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram (foto) com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Equipes da Secretaria de Estado de Segurança Pública e Defesa Social estiveram nesta quinta-feira, 25, na área da fazenda Santa Lúcia, próximo à sede do município de Pau D’Arco, sudeste do Estado, para iniciar as investigações sobre a operação realizada na quarta-feira, 24. O objetivo da ação era cumprir 14 mandados judiciais, mas com a resistência e reação do grupo, com disparos de armas de fogo, dez pessoas acabaram mortas durante o tiroteio. Antes da diligência até a área da fazenda, os responsáveis pela operação se reuniram com o subcomandante da Polícia Militar, coronel Leão Braga; o delegado da Divisão de Operações Especiais, Aurélio Paiva; dois peritos do Centro de Perícias Científicas (CPC) Renato Chaves; e três agentes de inteligência do Comando de Missões Especiais. Pouco depois, o grupo também se reuniu com o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente, que foi até Redenção e já anunciou que vai determinar a abertura de inquérito para apurar se houve excessos na operação, que também é objeto de inquéritos da própria PM e da Polícia Civil.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga. Na foto, o procurador geral do Ministério Público do Estado (MPE), Gilberto Valente (de camisa azul).
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos (foto), vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros (foto). “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros (foto). “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros (foto). “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros (foto). “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas (foto) que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ
DATA: 25.05.2017
PAU D’ARCO – PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas (foto) que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga.
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ

25/05/2017- PAU D’ARCO – PARÁ- BRASIL- Os técnicos voltarão nesta sexta-feira, 26, ao local. Além de aprofundar a perícia dos acampamentos, vão vistoriar duas motocicletas que estavam escondidas num matagal próximo da sede da fazenda, totalmente destruída pelos posseiros. “A PM, a Polícia Civil e o CPC Renato Chaves estão aqui para garantir a lisura e a imparcialidade nas investigações. Tanto quanto a sociedade, o sistema de segurança do Pará deseja que este caso seja resolvido com absoluta transparência”, afirmou o coronel Leão Braga (foto).
FOTO: MÁCIO FERREIRA / AG. PARÁ