Jovens dos países mais pobres são mais vulneráveis à propaganda de cigarro

Foto: José Cruz/Agência Brasil
1º Encontro de Saúde das Populações do Campo e da Floresta
1 de dezembro de 2015
Foto: Shana Reis/ GERJ
Luiz Fernando Pezão participa do início da Operação Aterro Presente
1 de dezembro de 2015
438
Compartilhe
Foto:USP Imagens

Foto:USP Imagens

01/12/2015 – Brasil – Os jovens dos países mais pobres são mais vulneráveis à publicidade das empresas fabricantes de cigarro e correm o risco de ser fumantes prematuros, alerta hoje (1º) estudo da Organização Mundial de Saúde (OMS).Em geral, os produtores de cigarros expõem a população dos países com menos recursos econômicos a uma publicidade mais intensa e agressiva do que a dos que vivem em países com um nível de vida superior, acrescenta o relatório.O estudo, que começou em 2005, é o primeiro a comparar os níveis de publicidade das empresas em 16 países.A data de início do estudo coincide com a entrada em vigor da Convenção-Marco sobre o Tabaco, que, entre outros aspectos, inclui controle rigoroso da publicidade de cigarros.Os dados mostram que apesar das proibições, a publicidade continuar a ser um aspecto fundamental na adesão de novos fumantes.Os anúncios dirigem-se especialmente aos jovens, pois está demonstrado que se forem submetidos a uma maior publicidade, começam a fumar antes e continuam a fazê-lo quando adultos.Uma maneira de atrair consumidores mais jovens é a forma como se vende o produto. Segundo o relatório, nos países mais pobres mais de 64% das lojas selecionadas vendem cigarro avulso, muito acima dos quase 03% de estabelecimentos que o fazem nos países desenvolvidos.Essa fórmula de venda permite que as crianças e os adolescentes comprem o produto mais barato, já que, muitas vezes, não podem comprar um maço completo.O relatório destaca ainda uma queda na venda de tabaco nos países desenvolvidos. Entre 2009 e 2012, observou-se que as nações mais pobres têm 81 vezes mais publicidade nas ruas que as mais avançadas.Os peritos da OMS alertam que a publicidade é uma “ameaça iminente”.

Foto Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Foto Rafael Neddermeyer/ Fotos Públicas

Foto:USP Imagens

Foto:USP Imagens