Leituraço permite contato com obras literárias africanas e afro-brasileiras

Foto: Pedro Braga Jr.
Balsa explode nas proximidades do Distrito Industrial 1, em Manaus
27 de novembro de 2014
Foto: Roberto Stuckert Filho/ PR
Dilma Rousseff durante encontro com Ana Patricia Botín, do Grupo Santander
27 de novembro de 2014
766
Compartilhe
Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

27/11/2014- São Paulo- SP, Brasil- A coordenadora do programa São Paulo Carinhosa e primeira-dama Ana Estela Haddad participou na tarde desta quinta-feira (27) de uma maratona de leitura na Escola Municipal de Educação Infantil (Emei) Patrícia Galvão, no bairro da Consolação, região central da cidade. A atividade integra o Leituraço, projeto realizado pela Secretaria Municipal de Educação em parceria com a Secretaria Municipal de Promoção de Igualdade Racial ao longo do mês de novembro, em comemoração ao Dia da Consciência Negra, celebrado no último dia 20.

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

27/11/2014- São Paulo- SP, Brasil- Por meio do projeto, 800 mil alunos da rede municipal de ensino tiveram nas últimas semanas contato diário com obras literárias africanas e afro-brasileiras. A atividade de leitura trouxe 23 títulos a alunos de 1.462 Escolas Municipais de Ensino Fundamental e Médio (EMEFs), de Educação de Jovens e Adultos (EJA), de Educação Bilíngue para Surdos (EMEBS), de Educação Infantil (EMEIs) e Centros de Educação Infantil (CEIs) diretas. “Contar história é magico. É uma coisa maravilhosa. É uma forma de a gente elaborar o mundo, de usar a imaginação e trabalhar os sentimentos. Está comprovado cientificamente que se não fosse tão gostoso contar histórias, seria já importante do ponto de vista do desenvolvimento cognitivo e emocional das crianças”, afirmou Ana Estela, após ler Histórias Africanas para Contar e Recontar, de Rogério Andrade Barbosa e Chuva de Manga, de James Rumford.

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

27/11/2014- São Paulo- SP, Brasil- A primeira-dama destacou ainda a importância de trazer a literatura afro-brasileira para dentro das escolas. “Esta iniciativa está aproveitando o mês da luta pela igualdade racial e promovendo fazendo leituras que trazem e remontam a cultura africana. Muitas vezes não percebemos o quanto ela está [presente] na música, na literatura e na culinária, mas, sem dúvida nenhuma, a cultura africana está entranhada na cultura brasileira e de uma forma muito importante”, disse. O aluno Lucas Belchior, de 6 anos, era um dos mais empolgados entre as 28 crianças que participaram da atividade. “Gosto muito de ouvir história, mas o que eu mais gostei mesmo foi de comer manga”, disse o garoto, referindo-se ao lanche temático que ganharam após ouvirem uma história em que o protagonista, um menino do Chade, país africano, conhece e se delicia com a fruta. Atenta às histórias, a aluna Giovana Domingos, de 5 anos, gostou muito da atividade. “O bom de ouvir histórias novas é que a gente se sente dentro delas. Parece um novo mundo”, disse a garota.

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

Foto: Cesar Ogata/ SECOM/ PMSP

27/11/2014- São Paulo- SP, Brasil- A ação do Leituraço está ligada a um conjunto de iniciativas de estímulo à leitura realizadas pela rede municipal de ensino. O Programa Quem Lê, Sabe Por Quê, lançado em setembro de 2013, articula o incentivo ao hábito de ler entre estudantes, educadores e nas comunidades. Cada um dos atuais 45 CEUs da cidade de São Paulo conta com um núcleo do programa, acompanhado por um tutor, com experiência comprovada na área e com formação em nível de Mestrado ou de Doutorado. Envolve formação permanente de mediadores de leitura e a realização de atividades culturais.