Manaus retomada das atividades do comércio, cinemas, creches e escolas em meio aos casos de Covid-19

No Dia Mundial do Chocolate, comemorado neste 7 de julho, o Pará não tem a comemorar somente o fato de ser, atualmente, o maior produtor de cacau do paí
7 de julho de 2020
Recife – PCR abre 29 UTIs e desativa 90 enfermarias em segunda fase da reorganização da rede
7 de julho de 2020
306
Compartilhe

Manaus (AM) – O Amazonas vive uma “naturalização da desgraça”, com a população ignorando os riscos de uma segunda onda de contaminação pelo novo coronavírus. A afirmação é do epidemiologista Jesem Orellana, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Para o especialista, só isso é capaz de explicar como a capital do Estado entra, a partir desta segunda-feira (6), na quarta fase da liberação de atividades econômicas mesmo com o sistema de saúde ainda fragilizado para enfrentar novos picos da Covid-19.
Manaus AM 07 072020“As pessoas viram uma tragédia sem precedentes no Brasil, mas parece que muitos se acostumaram com aqueles números aterrorizantes, com centenas de mortes e milhares de doentes graves em uma mesma semana”, afirma Orellana. “Em nenhuma cidade do Brasil a pandemia de covid-19 foi tão avassaladora quanto em Manaus”, acrescenta, lembrando que a capital do Amazonas foi projetada para o Brasil e o mundo como um exemplo de “tragédia sanitária”. fonte Amazônia Real foto Bruno Kelli/Amazônia Real

Bruno Kelli/Amazonia Real

Bruno Kelli/Amazonia Real

Bruno Kelli/Amazonia Real

Bruno Kelli/Amazonia Real