Ministro do Esporte, Aldo Rebelo, fala sobre diversidade do Brasil e explica prazos de entrega de estádios

Foto: Roberto Stuckert Filho/PR
Ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, recebe título de doutor honoris causa concedido pela Universidade Federal do ABC
4 de dezembro de 2013
Valter Campanato / Agência Brasil
José Eduardo Cardozo participa de audiência pública na Câmara
4 de dezembro de 2013
307
Compartilhe
Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Costa do Sauípe- BA, 04/12/2013- Em entrevista coletiva realizada na manhã desta quarta-feira (04.12), na Costa do Sauipe (BA), o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, destacou a importância da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014 para reforçar a diversidade da cultura e a característica de tolerância do povo brasileiro.

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Costa do Sauípe- BA, 04/12/2013- “Somos o país que, ao mesmo tempo que tem grande diversidade cultural e étnica, é um país também marcado por uma grande unidade. Queremos fazer da Copa um momento de luta contra o racismo, um momento da afirmação daquilo que o esporte representa: confraternização, oportunidade de encontro entre as pessoas. Jogadores promovem esse encontro dentro de campo, e precisamos promover esse encontro nas ruas, nas arquibancadas, expressando pelo futebol a esperança de um mundo pacífico e mais tolerante”, disse o ministro durante o Media Day, evento que faz parte da programação do sorteio dos grupos da Copa do Mundo.

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Foto: Danilo Borges/ Portal da Copa

Costa do Sauípe- BA, 04/12/2013- Rebelo também foi questionado sobre a maior visibilidade que ganham os problemas brasileiros em virtude da forte presença de mídia no país por conta dos grandes eventos esportivos. “Não estamos preocupados com isso, sabemos que essa visibilidade maior revela coisas ruins sobe o país, mas muito mais coisas boas. Se estamos confortáveis com as tragédias? Evidente que não, nem com o que aconteceu na Arena Corinthians nem com a violência que assola o nosso dia a dia. Não estamos confortáveis com isso, adotamos políticas para enfrentar esses fenômenos. Queremos que a imprensa veja as nossas deformidades, mas ela também vai encontrar nossas virtudes, nossas qualidades”, respondeu.