Museu da Imagem e do Som do Rio, busca certificação internacional de sustentabilidade

Foto: Lucio Bernardo Jr./ Câmara dos Deputados
Audiência pública na Câmara dos deputados, sobre políticas de atenção à saúde das mulheres vulneráveis
20 de novembro de 2014
Foto: Camila Souza/ GOVBA
Em Salvador, acontece a 6ª Lavagem da Estátua de Zumbi, na praça da Sé
20 de novembro de 2014
1996
Compartilhe
Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

20/11/2014- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- Com entrega prevista para o primeiro semestre de 2015, o Museu da Imagem e do Som (MIS), em Copacabana, busca conquistar a Certificação LEED (Liderança em Energia e Projeto Ambiental), na categoria Ouro, concedida pela instituição U.S. Green Building Council para intervenções de engenharia e arquitetura que atendam a critérios de racionalização de recursos.

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

20/11/2014- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- A adoção das normas, que são exigidas pela organização americana, alcançou índice de reciclagem e reaproveitamento de materiais de 99,8%. Construído pela Emop (Empresa de Obras Públicas do Estado do Rio de Janeiro), o novo MIS adota práticas sustentáveis, como o uso de, no mínimo, 50% de madeira certificada e de 10% a 30% de conteúdo reciclado na obra. O projeto de engenharia e arquitetura também tem priorizado a utilização de componentes produzidos e distribuídos em um raio de 800 quilômetros para reduzir os impactos ambientais gerados pelo transporte de materiais.

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

20/11/2014- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- As práticas adotadas para reduzir o impacto da obra no entorno incluem a lavagem das rodas dos caminhões, a proteção dos bueiros do terreno e do entorno, além do tratamento da água do rebaixamento do lençol freático para evitar que as tubulações da rede pública sejam obstruídas por areia. Já os equipamentos de aquecimento, ventilação e ar- condicionado instalados vão minimizar as emissões de componentes que danificam a camada de ozônio, já que não utilizam gases à base de clorofluorcarbono.”Após a inauguração da primeira biblioteca verde, estamos erguendo o primeiro prédio verde criado para um museu na América Latina. A nova casa do MIS será um marco na construção de prédios públicos para a cultura”, disse a secretária de Cultura, Adriana Rattes.

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

20/11/2014- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- O equipamento cultural também vai adotar uma série de ações para a redução do consumo de água. Para economizar 35% da água potável serão instalados materiais como descargas com duplo fluxo, mictórios com uso reduzido de água, além de temporizadores para torneiras e chuveiros. Já a irrigação de plantas e jardins contará com um sistema de reúso de água da chuva, de chuveiros e de torneiras, além da desumidificação de ares-condicionados.

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

20/11/2014- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- O projeto também tem como meta atingir 26% de eficiência energética nos sistemas de aquecimento, ventilação, refrigeração, isolamento térmico, automação e utilização de bombas e motores de alta eficiência. Lâmpadas e luminárias controladas por um sistema inteligente de automação vão garantir as reduções adicionais do consumo energético. Além disso, o MIS vai utilizar placas de captação de energia solar, que serão instaladas na cobertura para auxiliar o aquecimento da água do prédio. “Os engenheiros e arquitetos da Emop estão atualizados com o que há de mais novo em construção sustentável. Já concluímos obras importantes buscando o ecologicamente coreto, como o Maracanã, escolas e bibliotecas”,  afirmou Ícaro Moreno Júnior, presidente da Emop.

Foto: Clarice Castro/ GERJ

Foto: Clarice Castro/ GERJ

20/11/2014- Rio de Janeiro- RJ, Brasil- O projeto da nova sede do MIS prevê ainda infraestrutura para medição e verificação dos consumos de água e energia do edifício. A ideia é fornecer à equipe gestora do museu informações sobre a racionalização de recursos que vão ajudar a corrigir possíveis desvios de desempenho. Orçado em R$ 104,6 milhões, o novo MIS é uma realização da Secretaria de Cultura em parceria com a Fundação Roberto Marinho e o Ministério da Cultura, por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura.