Na aldeia Kuikuro, o fogo começou com as queimadas realizadas dentro de fazendas no entorno da terra em Mato Grosso

Natália Semaniotto e biólogos de ONG que estão resgatando animais queimados dos incêndios no Pantanal Mato Grosso
20 de setembro de 2020
O outro lado do Barça – Elche
20 de setembro de 2020
384
Compartilhe

Cuiabá (MT) 20 09 2020– A Terra Indígena do Xingu, no nordeste de Mato Grosso, é o território indígena do Brasil que mais tem sofrido com as queimadas e incêndios florestais em 2020, desde quando começou o período mais intenso da chamada temporada do fogo na região amazônica, a partir de julho. No território, 102.918 mil hectares já foram devastados pelas chamas neste ano, de acordo com o Instituto Centro de Vida (ICV), que coletou as informações a partir dos dados da NASA. Os focos de calor registrados de 1º de janeiro a 16 setembro deste ano superaram em 155% os detectados no mesmo período de 2019: subiu de 432 focos para 1.102, conforme o monitoramento de queimadas do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).fonte Amazonia Real foto Takumã Kuikuro

Takumã Kuikuro

Takumã Kuikuro