Negociações de trabalhadores na Mercedes reverte 500 demissões

Foto: Cabo Valdemir da Luz
Polícia Militar do Paraná se reúne com representantes dos professores e CUT
27 de abril de 2015
Foto: Romério Cunha/ VPR
Vice-presidente Michel Temer na Cerimônia de abertura da 22ª edição da AGRISHOW, em Ribeirão Preto
27 de abril de 2015
342
Compartilhe
Foto: Adonis Guerra/ SMABC

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

27/04/2015- São Bernardo do Campo- SP, Brasil- Em negociação com o Sindicato, a Mercedes cancelou as 500 demissões de trabalhadores anunciadas para a próxima segunda-feira, dia 4 de maio. A suspensão da greve foi aprovada pelos trabalhadores em assembleia na manhã de hoje, dia 27. O layoff (suspensão temporária de contrato de trabalho) foi prorrogado até o dia 15 de junho e um novo Programa de Demissão Voluntária (PDV) ficará aberto até 15 de maio para todos os trabalhadores na empresa. “Em 18 de maio já tem negociação marcada do Sindicato com a empresa para avaliar o resultado do PDV. Se o resultado reduzir e der conta de administrar o excedente, estará resolvido. Se não, haverá nova negociação e a mobilização será retomada com a mesma força e garra”, afirmou o secretário-geral da CUT, Sérgio Nobre.

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

27/04/2015- São Bernardo do Campo- SP, Brasil- Os trabalhadores na Mercedes entraram em greve por tempo indeterminado na última quarta-feira, dia 22, após a empresa ter feito o anúncio de demissão de 500 companheiros por meio de comunicado à imprensa. “Os trabalhadores terem decretado a greve e o acampamento montado nas portarias da fábrica foram importantes para resistir e mostrar a nossa luta pelo emprego. O movimento deu condições de a empresa voltar a conversar com compromisso de discutir o que ela afirma ser excedente de forma negociada”, disse o vice-presidente do Sindicato, Aroaldo Oliveira da Silva.

 

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

Foto: Adonis Guerra/ SMABC

27/04/2015- São Bernardo do Campo- SP, Brasil- O Sindicato encaminhou ofícios ao governo federal na semana passada com pedido de urgência na adoção do Programa de Proteção ao Emprego (PPE) e de outras medidas de estímulo à economia. “Nós vamos fazer pressão para que o governo apresente o PPE, que preserva o emprego em momentos de crise”, defendeu Aroaldo. Além dos companheiros em layoff, a Mercedes afirma ter um excedente de 1.400 trabalhadores na fábrica.