Novos investimentos em parques eólicos gaúchos somam R$ 3,27 bilhões

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil
Abertura 2ª Conferência Nacional de Educação (Conae) em Brasília
20 de novembro de 2014
Desempenho da indústria alcança 50,8 pontos, com leve melhora em outubro
20 de novembro de 2014
512
Compartilhe
Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

Foto: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini

Foto: Caroline Bicocchi/Palácio Piratini

19/11/2014 – RS, Brasil – Leilão realizado na terça-feira (18) garantiu para o Rio Grande do Sul investimentos da ordem de R$ 3,27 bilhões em Energia Eólica. A Eletrosul arrematou o principal lote do leilão de transmissão 004/2014 da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), realizado na sede da BM&FBovespa, em São Paulo. Os empreendimentos do lote A compreendem 2,1 mil quilômetros de linhas de transmissão, oito subestações e ampliação de 13 unidades existentes, com investimento total de R$ 3,27 bilhões. Somando-se resultados positivos obtidos também no Mato Grosso do Sul, a expectativa é de geração de 11 mil empregos diretos. O novo sistema de transmissão irá viabilizar o escoamento de energia de futuros parques eólicos no Rio Grande do Sul, onde a Eletrosul é a maior investidora com a implantação dos complexos Cerro Chato e Campos Neutrais. Além disso, os empreendimentos do sublote A2 também vão estabelecer um novo ponto de atendimento do Norte do Estado e aumentar a confiabilidade no fornecimento de energia na Região Metropolitana de Porto Alegre. “Este tipo de investimento é fundamental para aumentar o escoamento da energia produzida e para melhorar a segurança no fornecimento, o que se reflete na qualidade da energia elétrica”, explica o coordenador de Energias e Comunicações da Agência Gaúcha de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (AGDI), Eberson Silveira. Os empreendimentos arrematados no lote A totalizam 17 linhas de transmissão em 230 kV e 525 kV de tensão, e capacidade de transformação de 4.781 MVA. O prazo para conclusão das obras é de 36 meses, a partir da assinatura dos contratos de concessão. “Com a implementação desses empreendimentos, mais de 11 mil empregos diretos serão gerados no Rio Grande do Sul e Mato Grosso do Sul, contribuindo de forma efetiva para incrementar o potencial econômico dessas regiões e para o desenvolvimento do País”, afirma o presidente da Eletrosul, Eurides Mescolotto. NA foto: Sistema de transmissão da Eletrosul irá viabilizar escoamento da energia produzida.

 Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

Foto: Claudio Fachel/Palácio Piratini

Na foto: Parque eólico de Osório