O Ibama, a Fundação Nacional do Índio (Funai), o Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso, a Polícia Federal (PF) e a Justiça Federal realizaram de forma conjunta a desocupação da Terra Indígena (TI) Kawahiva do Rio Pardo, em Colonização (MT

Evolução por Johannes Plenio
26 de dezembro de 2018
Vladimir Putin realizou uma reunião tradicional com os membros do governo antes do Ano Novo
26 de dezembro de 2018
280
Compartilhe

Brasília DF 26 12 2018 – O Ibama, a Fundação Nacional do Índio (Funai), o Ministério Público Federal (MPF) em Mato Grosso, a Polícia Federal (PF) e a Justiça Federal realizaram de forma conjunta a desocupação da Terra Indígena (TI) Kawahiva do Rio Pardo, em Colniza (MT).Nos dias 7 e 8 de dezembro, cinco não indígenas com propriedades construídas ilegalmente na TI receberam notificações determinando sua saída do local em até 5 dias. Ao término do prazo, uma vistoria realizada com apoio de aeronave do Ibama confirmou o cumprimento da ordem judicial.
Declarada posse permanente do povo Kawahiva pela Portaria 481/2016 do Ministério da Justiça, a TI abriga povos indígenas isolados que dependem do território para sobreviver e preservar sua cultura.
O Ibama realiza ações regulares na região desde 2013 para combater a exploração seletiva de madeira.“A presença de uma base permanente da Funai e as ações de fiscalização realizadas pelo Ibama nos últimos anos foram fundamentais para garantir a integridade ambiental da área, que sofria forte pressão de invasores e madeireiros ilegais. A desintrusão garantida pelo MPF e pela Justiça Federal representa mais um avanço nesse histórico de proteção. O objetivo é assegurar aos indígenas o direito constitucional de usufruto exclusivo dos recursos naturais no local”, afirma a superintendente do Ibama em Mato Grosso, Lívia Martins.Foto: Vinícius Mendonça/Ibama

Vinícius Mendonça/Ibama

Equipe FP