Parceria entre Minas e Guatemala visa expandir o cultivo do café arábica de qualidade

Foto: Elza Fiuza/Agência Brasil
I Seminário Internacional WWP – Um Mundo sem Pobreza
18 de novembro de 2014
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil
No retorno ao Senado, Marta Suplicy preferiu não comentar sua carta de demissão
18 de novembro de 2014
559
Compartilhe
Foto: Epamig

Foto: Epamig

Foto: Epamig

Foto: Epamig

17/11/2014 – MG, Brasil – Projeto da Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), em parceria com a Universidad de San Carlos de Guatemala (Usac) desde 2007, avalia o comportamento de cultivares de café arábica e materiais genéticos do Programa Estadual de Pesquisa em Cafeicultura em algumas regiões do país da América Central. Dentre os materiais avaliados, sete têm se mostrado promissores para as condições locais. Além da avaliação da produtividade, são realizadas provas das bebidas para verificar a qualidade. “São genótipos produtivos e, na sua maioria, resistentes à ferrugem, principal doença do café arábica”, explica o pesquisador da Epamig Gladyston Rodrigues Carvalho, que em outubro palestrou na Usac sobre os resultados das pesquisas de melhoramento genético e manejo da lavoura cafeeira do Brasil. O pesquisador também visitou campos onde foram instalados experimentos pelo professor Edin Francisco Orozco Miranda da universidade local. Durante a palestra, Gladyston apresentou as regiões produtoras do Brasil e suas particularidades, além do sistema de gestão da pesquisa cafeeira e os avanços do setor na última década, impulsionados principalmente pelo modelo do Consórcio Pesquisa Café. Destacou ainda as tecnologias disponíveis, com ênfase para o melhoramento genético, espaçamentos e mecanização. Segundo o pesquisador, a Guatemala possui uma vasta produção de café e poderá desenvolver ainda mais sua cafeicultura, garantindo renda e qualidade de vida para os produtores. “É uma cafeicultura bem diferente da brasileira, porém possui lógica e objetivos bem definidos”, garantiu. Gladyston ressaltou ainda que as avaliações proporcionaram uma interação maior entre os dois países e possibilitaram uma excelente troca de experiências. “Eles têm altitude, clima e solo favoráveis para a produção de cafés de qualidade, enquanto nós temos conhecimento tecnológico, sabores distintos e potencial de expansão”, explicou.