PF deflagra operação contra lavagem de dinheiro do tráfico internacional de drogas

Internacional vence o Atlético GO no Beira-Rio e avança na Copa do Brasil
3 de novembro de 2020
O primeiro-ministro Benjamin Netanyahu se encontra com o primeiro-ministro romeno, Ludovic Orban.
4 de novembro de 2020
115
Compartilhe

OPERAÇÃO NARCOBROKER
Curitiba/PR – A Polícia Federal, em ação conjunta com a Receita Federal,
deflagrou na manhã desta quarta-feira (4/11) a Operação Narcobroker,
com o objetivo de desarticular financeiramente uma organização
criminosa (ORCRIM) especializada no envio de cocaína para a Europa.
Prosseguindo no objetivo de desarticulação patrimonial do crime
organizado estão sendo sequestrados mais de 40 milhões de reais em
bens do narcotráfico, consubstanciados em dezenas de imóveis e
veículos de luxo. Somente uma das casas que teve o sequestro
determinado pela Justiça Federal em Curitiba foi comprada pelo chefe da
organização criminosa por aproximadamente R$ 6 milhões.
Cerca de 150 policiais federais cumprem 39 mandados judiciais, sendo 9
de prisão preventiva, 2 de prisão temporária e 28 de busca e apreensão
no Paraná (Curitiba, Paranaguá, Matinhos, Campo Largo), em São Paulo
(São Paulo, Santos, Santo André, Peruíbe, Atibaia) e em Santa Catarina
(Itapema, Balneário Camboriú, Itajaí, Camboriú e Urubici). Auditores da
Receita Federal do Brasil também participam das buscas.
A Justiça Federal em Curitiba também determinou o bloqueio de contas
de 68 pessoas físicas e jurídicas que, segundo as investigações, tiveram
movimentação suspeita de aproximadamente 1 bilhão de reais entre os
anos de 2018 a 2020. O montante total dos valores bloqueados ainda não
foi contabilizado.
Também na ação de hoje, foi determinado pela Justiça Federal, o bloqueio
de 3 empresas que eram utilizadas pela organização criminosa para a
lavagem de dinheiro do tráfico de drogas, as quais passarão a ser
administradas pela Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas –


SENAD/MJSP em parceria com o Conselho Federal de Administração – CFA.
As investigações da PF foram iniciadas em 2019 e apontam que os
integrantes da organização criminosa utilizavam empresas fantasmas e
de fachada para comprar mercadorias de origem orgânica, visando
dificultar a atuação dos órgãos de fiscalização e segurança. Tais
mercadorias eram acondicionadas em contêineres que também
ocultavam centenas de quilos de cocaína que eram enviados à Europa.
Foram apreendidas anteriormente mais de 13 toneladas de erva mate,
ativo biológico que será alienado antecipadamente conforme autorizado
judicialmente.
Durante os trabalhos investigatórios ocorridos, também foram
apreendidos 240 quilos de cocaína no porto de Paranaguá.
Além disso, a Justiça Federal expediu o mandado de prisão preventiva em
desfavor de um brasileiro que se passava por empresário na Espanha,
mas na realidade, tratava-se de um suspeito entre as organizações
criminosas brasileiras e europeias; e que recebia a droga que vinha
escondida em meio à carga lícita que era enviada.
Narcobroker – A denominação da investigação provém da junção de dois
termos comumente utilizados em investigações de tráfico internacional
de drogas: o termo em inglês BROKER (corretor, negociador) e NARCO,
que em tradução livre para o espanhol significa TRAFICANTE.

PF

PF

PF

PF

PF

PF

PF

PF