Programação da Fumbel celebra o cinema brasileiro e a cultura nacional, em Belém

Prefeitura abre programação Novembro Azul e intensifica atendimento na rede municipal de saúde, em Belém
7 de novembro de 2017
Militares atendem população de Tabatinga no Amazonlog17
7 de novembro de 2017
447
Compartilhe

06/11/2017- Belém- Uma programação cultural diversificada marcou duas importantes datas celebradas no dia 5 de novembro: o Dia Nacional da Cultura e o Dia Nacional do Cinema Brasileiro. A promoção foi da Prefeitura Municipal de Belém, por meio da Fundação Cultural do Município de Belém (Fumbel), à tarde e no início da noite deste domingo, no Cinema Olympia e no Complexo Cultural Ver-o-Rio.
Celebrado anualmente no dia 5 de novembro, o Dia Nacional da Cultura foi estabelecido por lei em 1970, e marca o aniversário de nascimento do jurista, intelectual e escritor Rui Barbosa. A programação artística da Fumbel foi realizada em um palco montado no Complexo Ver-o-Rio, e se destacou pelo foco na diversidade cultural paraense.

O público lotou o Complexo Cultural Ver-o-Rio neste domingo, 5. Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS

O grupo Projeto Cultural Ananin Dance, do bairro de Val-de-Cans, abriu a programação apresentando números de dança de toadas de boi. Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS

O cantor Kim Marques e Banda foram muito aplaudidos pelo público. O artista fez uma pequena retrospectiva da carreira com bregas marcantes. Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS

Misses Caipiras se apresentaram no Complexo Cultural Ver-o-Rio na programação da Fumbel que celebrou o cinema brasileiro e a cultura nacional. Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS

Apresentaram-se ainda a Orquestra de Percussão da Escola de Samba Quem São Eles e passistas da escola. Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS

A produtora de audiovisual Laila Vidal assistiu o documentário “Pau e Corda, Histórias de Carimbó – Cem Anos de Verequete”: "Procuro acompanhar a programação do Cine Olympia, e me interesso muito pela cultura do Pará". Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS

Marco Antônio Moreira, programador do Cinema Olympia, afirma que exibir um documentário sobre Mestre Verequete é também uma forma de resistência. Foto: Alessandra Serrão/NID/COMUS