Salão de beleza em aldeia indígena recebe apoio da Fomento Paraná

Foto: Paulo Pinto/ Agência PT
Ato pela Democracia na FFLCH na USP
29 de março de 2016
Foto: Cido Marques/ FCC
Campanha incentiva doações de livros para as Casas de Leitura e Tubotecas de Curitiba
30 de março de 2016
636
Compartilhe
Foto: Orlando Kissner/ANPr

Foto: Orlando Kissner/ANPr

Foto: Orlando Kissner/ANPr

Foto: Orlando Kissner/ANPr

30/03/2016- Curitiba- PR, Brasil- Um salão de beleza instalado dentro de uma aldeia indígena, em Curitiba, é um dos mais novos empreendimentos financiados pela Fomento Paraná, instituição financeira de desenvolvimento do Governo do Estado. A empreendedora é Elisana Lopes de Oliveira, que trabalha como cabeleireira há 15 anos e vive com o marido, o índio da etnia caingangue Carlos Ubiratan dos Santos, na aldeia indígena Kakané Porã, no bairro Campo de Santana, ao sul da cidade.

Foto: Orlando Kissner/ANPr

Foto: Orlando Kissner/ANPr

30/03/2016- Curitiba- PR, Brasil- A ideia de ter um negócio próprio partiu do marido. “Há três anos montei um salão bem pequeno, aqui ao lado de casa mesmo”, conta a cabeleireira. O salão é o único ponto de comércio da aldeia. Além dos índios residentes na Kakané Porã, ela atende clientes do bairro próximo. Como o salão passou a ficar mais conhecido na região, a empreendedora percebeu que era preciso aumentar o espaço, para atender mais pessoas. Sem o dinheiro para reformar o espaço, ela recorreu a uma linha de crédito da Fomento Paraná.

Foto: Orlando Kissner/ANPr

Foto: Orlando Kissner/ANPr

30/03/2016- Curitiba- PR, Brasil-  “Um índio aqui da aldeia sugeriu que eu fosse até a Fomento Paraná”, afirma ela. Com o crédito, Elisana ampliou o salão de beleza e ainda pretende comprar cadeiras e um lavatório novo para o empreendimento. “Com o salão pequeno eu atendia no máximo 20 pessoas na semana, agora posso atender mais clientes”, comemora ela.

Foto: Orlando Kissner/ANPr

Foto: Orlando Kissner/ANPr

30/03/2016- Curitiba- PR, Brasil- A aldeia Kakané Porã é a primeira aldeia indígena urbana do sul do Brasil. Foi construída pela Companhia de Habitação Popular de Curitiba (Cohab), em 2008. No local vivem famílias indígenas descendentes de três diferentes etnias: guaranis, xetás e caingangues. Antes da criação da aldeia as famílias indígenas moraram durante seis anos em uma área no Parque Cambuí, próximo a São José dos Pinhais. As 35 casas construídas são dispostas em círculo, sem muros para separar os lotes e uma oca de madeira ocupa a praça central. Kakané-Porã é uma palavra mista de guarani e caingangue e significa “fruto bom da terra”.