Voluntários na luta contra o Ebola realizam enterro das vítimas da doença na Guiné

Foto: Valter Campanato/ Arquivo Agência Brasil
Mais de 260 mil assinaturas já foram coletadas para o pedido de beatificação de Zilda Arns
18 de janeiro de 2015
Foto: Rafael Ribeiro/ CBF (17/01/2015)
Brasil perde por 2X0 para o Uruguai, no mundial sub-20
18 de janeiro de 2015
815
Compartilhe
Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

17/01/2015- Conacri- Guiné- Equipes de voluntários de enterro na Guiné, usando equipamentos de proteção individual completo e que trabalham em equipes de sete, transportam o corpo de uma mulher de 40 anos que morreu de vírus Ebola a partir do Centro de Tratamento de MSF no Hospital Donka até o Cemitério de Conacri, para um enterro seguro . A Cruz Vermelha realiza enterros seguros e dignos em todos os países afetados pelo Ebola, garantindo que aqueles que morreram da doença são tratados com respeito e, simultaneamente, mantém a segurança das comunidades. Este é um trabalho crítico, muitas vezes realizado por voluntários, e acontece no momento mais perigoso.

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

17/01/2015- Conacri- Guiné- Voluntários usando equipamentos de proteção individual completo e que trabalham em equipes de sete, desinfectam-se depois de enterrar o corpo de uma mulher de 40 anos que morreu de vírus Ebola, do Centro de Tratamento de MSF no Hospital Donka ao Cemitério de Conacri, para um enterro seguro. A Cruz Vermelha realiza enterros seguros e dignos em todos os países infectados pelo Ebola.

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)

Foto: Martine Perret/ UN (17/01/2015)